quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Dirk e Joao - assar Castanhas ao Sol - roasting chestnuts with sun light

Como assar Castanhas ??
How to roast Chestnuts ??
http://www.wikihow.com/Roast-Chestnuts

ou então melhor ...
better ...

... usa o Forno Solar Parabólico!!
... use the Parabolic Solar Cooker !!

Deliciosas Castanhas assadas por
Delicious Roasted Chestnuts by Dirk and Joao,

no dia da Festa da Castanha.
on the Chestnut Feast Day.
http://festadacastanha.no.sapo.pt/

Muito sol !
Sunny day !

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Out Level - Water Recordings (rivers Alva e Alvôco)

É com muito orgulho que apresento o ultimo
trabalho discográfico de Out Level, um projecto de música exploratória
situado na cidade de Oliveira do Hospital, no sopé da Serra da Estrela.

«Water Recordings», lançado pela chinesa Bypass Netlabel,
constitui o 1º avanço de Out Level (Luís Antero) nas gravações de campo,
neste caso centradas no som da água dos rios Alva e Alvoco,
no distrito de Coimbra.Existe também «City»,
mas afigura-se como uma história à parte neste contexto...

Para ouvir/download: http://bp.bai-hua.org/

Espero, sinceramente, que seja do vosso agrado, agradecendo,
desde já, a divulgação possivel.
Abraços serranos,

www.virb.com/outlevel

-- Luís Antero................ ....................................

www.aminhaguitarraazul.blogspot.com

domingo, 23 de novembro de 2008

presentes de Outono - Autumn gifts II + big medronho

um cesto quase cheio, ao anoitecer ...


e ainda esta


raridade ...
apanhado no medronheiro das Bordoceiras.

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

presentes de Outono - Autumn gifts


por estes dias, não é difícil encontrar castanhas em Chão Sobral,
mas já não há a fartura de d'intempo (quando não havia arroz e tanta batata).
entre as couves na terra bem estrumada cresceram estes
magníficos (e saborosos) tortulhos.
castanhas, medronhos, azeitona são os presentes deste Outono.

terça-feira, 21 de outubro de 2008

terça-feira, 14 de outubro de 2008

In Defense Of The Family Farm - by Wendell Berry

http://organictobe.org/index.php/2008/10/06/in-defense-of-the-family-farm-by-wendell-berry/


With industrialization has come a general depreciation of work. As the price of work has gone up, the value of it has gone down, until it is now so depressed that people simply do not want to do it anymore. We can say without exaggeration that the present national ambition of the United States is unemployment. People live for quitting time, for weekends, for vacations, and for retirement; moreover, this ambition seems to be classless, as true in the executive sites as on the assembly lines. One works, not because the work is necessary, valuable, useful to a desirable end, or because one loves to do it, but only to be able to quit—a condition that a saner time would regard as infernal, a condemnation. This is explained, of course, by the dullness of the work, by the loss of responsibility for, or credit for, or knowledge of the thing made. What can be the status of the working small farmer in a nation whose motto is a sigh of relief: “Thank God it’s Friday”?

…By the dismemberment of work, by the degradation of our minds as workers, we are denied our highest calling, for, as Gill says, “every man is called to give love to the work of the hands. Every man is called to be an artist.” The small family farm is one of the last places—they are getting rarer every day—where men and women (and girls and boys, too) can answer that call to be an artist, to learn to give love to the work of their hands. It is one of the last places where the maker—and some farmers still do talk about “making the crops”—is responsible, from start to finish, for the thing made. This certainly is a spiritual value, but it is not for that reason an impractical or uneconomic one. In fact, from the exercise of this responsibility, this giving of love to the work of the hands, the farmer, the farm, the consumer, and the nation all stand to gain in the most practical ways: They gain the means of life, the goodness of food, and the longevity and dependability of the sources of food, both natural and cultural. The proper answer to the spiritual calling becomes, in turn, the proper fulfillment of physical need…

The family farm is failing because it belongs to an order of values and a kind of life that are failing. We can only find it wonderful, when we put our minds to it, that many people now seem willing to mount an emergency effort to “save the family farm” who have not yet thought to save the family or the community, the neighborhood schools or the small local businesses, the domestic arts of the household and homestead, or cultural and moral tradition—all of which are also failing, and on all of which the survival of the family farm depends.

The family farm is failing because the pattern it belongs to is failing, and the principal reason for this failure is the universal adoption, by our people and our leaders alike, of industrial values, which are based on three assumptions:

1. That value equals price—that the value of the farm, for example, is whatever it would bring on sale, because both a place and its price are “assets.” There is no essential difference between farming and selling a farm.

2. That all relations are mechanical. That a farm, for example, can be used like a factory, because there is no essential difference between a farm and a factory.

3. That the sufficient and definitive human motive is competitiveness—that a community, for example, can be treated like a resource or a market, because there is no difference between a community and a resource or a market…

Marty Strange has written of his belief “that commercial agriculture can survive within pluralistic American society, as we know it, if the farm is rebuilt on some of the values with which it is popularly associated: conservation, independence, self-reliance, family, and community. To sustain itself, commercial agriculture will have to reorganize its social and economic structure as well as its technological base and production methods in a way that reinforces these values.” I agree. Those are the values that offer us survival, not just as farmers, but as human beings. And I would point out that the transformation that Marty is proposing cannot be accomplished by the governments, the corporations, or the universities; if it is to be done, the farmers themselves, their families, and their neighbors will have to do it…

I have in mind… the one example known to me of an American community of small family farmers who have not only survived but thrived during some very difficult years: I mean the Amish. I do not recommend, of course, that all farmers should become Amish, nor do I want to suggest that the Amish are perfect people or that their way of life is perfect. What I want to recommend are some Amish principles:

1. They have preserved their families and communities.
2. They have maintained the practices of neighborhood.
3. They have maintained the domestic arts of kitchen and garden, household and homestead.
4. They have limited their use of technology so as not to displace or alienate available human labor or available free sources of power (the sun, wind, water, and so on.)
5. They have limited their farms to a scale that is compatible both with the practice of neighborhood and with the optimum use of low-power technology.
6. By the practices and limits already mentioned, they have limited their costs.
7. They have educated their children to live at home and serve their communities.
8. They esteem farming as both a practical art and a spiritual discipline.

These principles define a world to be lived in by human beings, not a world to be exploited by managers, stockholders, and experts.






domingo, 12 de outubro de 2008

semente para a terra - seed to the earth

In this two-hour presentation at the world famous Oxford Union, David Icke encapsulates humanity's current plight and how we can secure our freedom from the Hidden Hand behind global events. www.davidicke.com




http://www.americanthinker.com/printpage/?url=http://www.americanthinker.com/2008/10/this_could_be_the_game_changer.html

But you can get people to watch 11 minutes of interesting video raising a slew of questions for Obama, in fact cornering him, on the question of his birth, citizenship, and eligibility for office as POTUS under the Constitution. Especially if people start talking about the video. It's called viral distribution. A friend emails an Obama-supporting friend and dares him or her to watch.


sexta-feira, 29 de agosto de 2008

Chão Sobral - depois do fogo - after the fire -











esta encosta pode ser uma floresta de medronheiros,
mas está infestada de giestas.

this can be a forest of strawberry trees
but there's to many brooms.

- a tua ajuda é necessária para cuidar dos medronheiros - participa na "minga"
- your help is needed to care for the strawberry trees - join us in the "minga"

"minga" é uma sessão de trabalho em equipa,
mas muito importante é ser uma oportunidade de convívio
e entreajuda,
mais tarde, em Chão sobral, haverá uma sessão de cinema ao ar livre,
com o filme

http://www.powerofcommunity.org/cm/index.php

é possível acampar por cá, se estás interessado
entra em contacto com o
Gonçalves pelo email: joaovox@gmail.com
ou pelo 96 96 80009

"minga" is team work, but it is also a great opportunity to get together
and help eachother,
later, in Chão Sobral, we are going to have a film outside.
it's possible to do camping and stay onvernight,
if interested contact Gonçalves
email: joaovox@gmail.com
mobile 96 96 80009


http://www.ecolivingportugal.org/chaosobralminga.html

ferramentas - tools ?
sugerimos - we suggest:


where's - onde é Chão Sobral?
http://www.chaosobral.org/mp.htm

no dia 21 temo o Passeio Pedestre da associação de Chão Sobral
on the 21 September we have the Walk
http://www.chaosobral.org/a_pe2008.htm



segunda-feira, 25 de agosto de 2008

quinta-feira, 7 de agosto de 2008

+ árvores + trees

Assinar minha promessa no EuPrometo

irei doar 500 Euros para a plantação de ávores em Portugal
se 50 pessoas doarem 10 Euros cada uma.

assine também esta promessa!
- Pure Portugal
http://www.pureportugal.co.uk/

quarta-feira, 30 de julho de 2008

Cerejas e milho em Chão Sobral

só de as ver fico satisfeito,
e onde piscos e pardais enchem a barriguita


muita laboeira para se ter um milhito


aqui seca ao sol a bandeira do milho, alimento para os gados no Inverno.

Chão Sobral, Julho 2008




segunda-feira, 30 de junho de 2008

Encontro da Rede Local de Permacultura - 5 Julho_Sabado - Qta Tapado_Fiais da Beira_Oliveira do Hospital






de

http://groups.google.com/group/ecolivingportugal

Olá a todos!

Versão Portuguesa

Lançada a semente, há uma semana, na Quinta dos Melros, as primeiras
folhas da Rede Local de Permacultura despontaram no domingo passado!

(A permacultura é um método holístico para planejar, atualizar
e manter sistemas de escala humana (jardins, vilas, aldeias e comunidades) ambientalmente sustentáveis,
socialmente justos e financeiramente viáveis.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Permacultura
http://en.wikipedia.org/wiki/Permaculture )


Aconteceu na Eco Casa Redonda da Quinta Cabeça do Mato, o segundo

encontro, no qual dezassete pessoas marcaram presença e continuaram a
discutir o conceito e a orgânica da Rede.


O grupo Terramoja http://grupoterramoja.wordpress.com/

partilhou
com os presentes o modo como o projecto poderá funcionar e a visão
relativa a uma futura Associação Portuguesa de Permacultura, projecto
que se espera poder surgir no horizonte caso a Rede Local de
Permacultura resulte e comece a expandir-se!

A ideia de criar uma newsletter com informações sobre as actividades
da Rede também mereceu uma enorme aceitação dos presentes, que não se
coibiram de dar ideias e contribuíram, inclusive, com alguns
textos/artigos para a primeira edição, que deverá arrancar após o
próximo encontro em formato simples. Quem estiver interessado em
enviar textos ou artigos, poderá fazê-lo para o seguinte e-mail:
terram...@gmail.com.

Relativamente às famosas «mingas», que não são nem mais nem menos do
que os sub-grupos de trabalho a operar nas quintas da Rede, ficou
decidido que deverão funcionar baseados numa lógica de proximidade
local, de modo a reduzir o mais possível os custos da
gasolina/gasóleo, assim como o tempo das viagens. Foram igualmente
partilhadas as experiências com as «mingas» no passado e como são
valorizadas, sobretudo em função dos fortes laços que se criam entre
quem nelas participa e quem possui uma quinta ou/e vive da Mãe-Terra.

Há sempre algo a fazer!

Tendo isto em mente, decidiu-se organizar a
primeira «Minga» na quinta do Dirk e da Christine, a Quinta do Tapado,
onde irá decorrer a próxima edição do Vida Verde (mais informações
sobre este evento nos sites vidaverde.eco-gaia.net e
groups.google.com/group/dragons-place/web/introduction?hl=pt-PT).

O encontro da Rede terá lugar no dia 5 de Julho; os trabalhos arrancam
às 9h30. Após o almoço, por volta das 15h00, no mesmo local,
realizar-se-á então o terceiro encontro da Rede Local de Permacultura.

Por último, foi igualmente sugerida a criação de uma base de dados
destinada a partilhar informação, que possa ajudar as pessoas
envolvidas a estar em contacto entre si - a localização é um dado
fundamental neste projecto - com a regularidade que desejarem.

Para
facilitar a optimização dos dados, foi elaborado um pequeno
formulário, que segue anexado a este mail.

Quem preferir, poderá dar
os seus dados pessoalmente (ou em papel) no próximo encontro, na
Quinta do Tapado, cujos contactos são os seguintes:
Morada: Quinta do Tapado, 3405/077 Fiais da Beira
Telefone (fixo): 238648048
Telefone Móvel: 966728293

Consulte o mapa copiando este link
http://maps.google.com/maps/ms?ie=UTF8&hl=en&msa=0&msid=1127933531500...

Vem partilhar connosco a alegria de trabalhar em equipa!
Traz muita
energia, comida, histórias, música e ideias!

Vemo-nos, então, na Quinta do Tapado!

quinta-feira, 19 de junho de 2008

domingo, 25 de maio de 2008

terça-feira, 13 de maio de 2008

PAULO FREIRE: A leitura do Mundo

PAULO FREIRE: A leitura do Mundo



"Ivo viu a uva", ensinavam os manuais de alfabetização. Mas o professor
Paulo Freire, com o seu método de alfabetizar conscientizando, fez adultos e
crianças, no Brasil e na Guiné-Bissau, na Índia e na Nicarágua, descobrirem
que Ivo não viu apenas com os olhos. Viu também com a mente e se perguntou
se uva é natureza ou cultura.



Ivo viu que a fruta não resulta do trabalho humano. É Criação, é natureza.
Paulo Freire ensinou a Ivo que semear uva é ação humana na e sobre a
natureza. É a mão, multiferramenta, despertando as potencialidades do fruto.
Assim como o próprio ser humano foi semeado pela natureza em anos e anos de
evolução do Cosmo.



Colher a uva, esmagá-la e transformá-la em vinho é cultura, assinalou Paulo
Freire. O trabalho humaniza a natureza e, ao realizá-lo o homem e a mulher
se humanizam. Trabalho que instaura o nó de relações, a vida social. Graças
ao professor, que iniciou sua pedagogia revolucionária com trabalhadores do
Sesi de Pernambuco, Ivo viu também que a uva é colhida por bóia-frias, que
ganham pouco, e comercializada por atravessadores, que ganham melhor.



Ivo aprendeu com Paulo que, mesmo sem ainda saber ler, ele não é uma pessoa
ignorante. Antes de aprender as letras, Ivo sabia erguer uma casa, tijolo a
tijolo. O médico, o advogado ou o dentista, com todo o seu estudo, não era
capaz de construir como Ivo. Paulo Freire ensinou a Ivo que não existe
ninguém mais culto do que o outro, existem culturas paralelas, distintas,
que se complementam na vida social.



Ivo viu a uva e Paulo Freire mostrou-lhe os cachos, a parreira, a plantação
inteira. Ensinou a Ivo que a leitura de um texto é tanto melhor compreendida
quanto mais se insere o texto no contexto do autor e do leitor. É dessa
relação dialógica entre texto e contexto que o autor e do leitor. É dessa
relação dialógica entre texto e contexto que Ivo extrai o pretexto para
agir. No início e no fim do aprendizado é a práxis de Ivo que importa.
Práxis-teoria-práxis, num processo indutivo que torna o educando sujeito
histórico.



Ivo viu a uva e não viu a ave que, de cima, enxerga a parreira e não vê a
uva. O que Ivo vê é diferente do que vê a ave. Assim, Paulo Freire ensinou a
Ivo um princípio fundamental da epistemologia: a cabeça pensa onde os pés
pisam. O mundo desigual pode ser lido pela ótica do opressor ou pela ótica
do oprimido. Resulta uma leitura tão diferente uma da outra como entre a
visão Ptolomeu, ao observar o sistema solar com os pés na Terra, e a de
Copérnico, ao imaginar-se com os pés no Sol.



Agora Ivo vê a uva, a parreira e todas as relações sociais que fazem do
fruto festa no cálice de vinho, mas já não vê Paulo Freire, que mergulhou no
Amor na manhã de 2 de maio de 1997. Deixou-nos uma obra inestimável e um
testemunho admirável de competência e coerência.



Paulo deveria estar em Cuba, onde receberia o título de Doutor Honoris
Causa, da Universidade de Havana. Ao sentir dolorido seu coração que tanto
amou, pediu que eu fosse representá-lo. De passagem marcada para Israel, não
me foi possível atendê-lo. Contudo, antes de embarcar fui rezar com Nita,
sua mulher, e os filhos, em torno de seu semblante tranqüilo: Paulo via
Deus.



Frei Betto é escritor.


http://www.joseferreira.info/


http://www.paulofreire.org

segunda-feira, 28 de abril de 2008

Abril ...

frio e molhado enche o celeiro e farta o gado


terra para semear na Boucha Longa





sementeira de batatas no Bacelo





sementeira de milho na Horta




a ceifar uma erva para os coelhos



e para secar, para as ovelhas



terra para semear no Chão do Porto





as batatas do Lameiro



de regresso ao povo